Espécie

Mormidea notulifera

Stål, 1860

Considerada uma das principais pragas de arroz no sul do Brasil, com grande ocorrência em gramíneas cultivadas.

Nome popular: percevejo-do-grão.

CATTGTTACCTTCTTATTCGGAATATGGGCTGGATAGTAGGATCCGCTATAAGATTAATTATTCGAATTGAATTAGGTCAACCCGGAAGATTTATTGGGGATGATCAAATTTATAATGTAGTAGTTACAGCACATGCATTTGTAATAATTTTCTTTATAGTTATACCAATTATAATTGGGGGGTTTGGAAACTGACTAGTACCTTTAATAATTGGAGCACCTGATATAGCATTCCCACGAATAAACAATATAAGATTCTGACTGCTACCTCCATCATTAACCTTATTAATAATAAGTAGTTTAGCTGAATCAGGGGCTGGGACAGGATGAACTGTTTATCCCCCCTTATCAAGAAATTTATCACATAGAGGAGCTTCTGTCGATTTAGCAATTTTTTCATTACATTTAGCAGGGGTATCCTCAATTTTAGGAGCAGTAAATTTTATTTCAACAATTATTAATATACGACCAGCAGGGATAACTCCTGAACGAATTCCATTATTCGTATGATCAGTAGGAATCACCGCATTATTACTTTTATTGTCATTACCCGTTTTAGCAGGGGCTATCACCATATTATTAACAGATCGAAATTTCAATACATCATTCTTTGACCCTTCAGGGGGAGGGGATCCCATCTTATATCAACACTTGTTCTGATTTTTTGG

Macho

Bordo dorsal do pigóforo sinuoso com 1+1 processos laterais, e emarginada medianamente (bi-emarginada). Ângulos pósterolaterais obtusos e intumescidos. Segmento X em forma de lança, com ápice recortado em pequenos espinhos. Parâmeros reduzidos e ocultos pelos processos laterais do bordo dorsal. Bordo ventral emarginado medianamente.

Fêmea

Gonocoxitos 8 com margens posteriores convexas, e bordos suturais contíguos e elevados como uma "quilha". Laterotergitos 9 deprimidos medianamente e ultrapassando a margem posterior do tergito 8. Laterotergitos 8 com um espinho na metade posterior. 

Adultos: 7-8,5 mm.
Castanho claro a fusco no dorso, normalmente negro nos úmeros. Apresenta uma mancha marfim posterior a cada cicatriz do pronoto, medianamente na base do escutelo, e no disco do cório; às vezes ausente no pronoto. Mancha calosa estreita nos ângulos basais do escutelo estendendo-se submarginalmente ao longo do freno; ápice do escutelo marfim. Ventre amarelado.
Margens anterolaterais do pronoto sinuosas. Ângulos umerais geralmente pouco projetados e arredondados; quando projetados, o são lateralmente em forma de espinhos suavemente voltados para trás. Escutelo mais longo que largo com largura ao nível da constrição mais ou menos a metade da largura da base do escutelo. Pernas geralmente nos mesmos tons do abdômen ventral.
Tem preferência por gramíneas cultivadas, particularmente arroz e trigo, mas também se alimenta em aveia e tremoço
Danos similares aos descritos para O. poecius; a natureza e extensão dos danos dependem do estágio de desenvolvimento dos grãos. Na fase leitosa, grande parte ou, a totalidade do conteúdo do grão é sugado – causando o emurchamento das sementes, tornando-as “cochas” ou deixando a casca vazia. No estágio pastoso formam-se manchas escuras no local da picada (grãos gessados) que se quebram facilmente no processo de beneficiamento. Algumas vezes se nota a germinação do grão ainda no pé, devido à entrada de umidade pelo orifício deixado pelo inseto.
América do Sul com registros em: Argentina, Peru e Uruguai, além de sua ampla distribuição no Brasil (Ceará, Rio Grande do Norte, Bahia, Mato Grosso, Distrito Federal, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) – onde apenas não possui registros na região Norte.
NaturaeData